Selo 144

A VERDADE UNILATERAL # Um blog sobre Sociedades Secretas e Falsas Religiões # Com Irmão Ryba, o desigrejado…Amém!!!

Sobre

AUTOBIOGRAFIA DO IRMÃO RYBA

José Ribamar Gonçalves Lima (Ir. Ryba) da Ong Ide Livre

Origem:

Nasci em 25 de julho de 1960 em Presidente Dutra. região central dos cocais maranhense. Minhas avós dizem que eram indígenas: A minha avó por parte de pai era índia Guajajara da aldeia da Barra do Corda, meu avó era originário dos Gonçalves. Foi proprietário de engenho e criador de gado no distrito de Firmino, cuja atividade vem sendo desenvolvida até nossos dias pela “Família” Já minha avó por parte de mãe era Índia da aldeia dos Ramkokamekrá (Canela) da região de Fernando Falcão/MA. (distrito de Leandro) .Meu avô materno foi um prospero boiadeiro dos sertões maranhense, originário da família dos Leandros criadores de gado “vacum” descendentes dos antigos portugueses do sul do Maranhão.

Família

Aos sete anos de idade meus pais se separaram e eu e meus dois irmãos tivemos que conviver doravante “Sem Família” OBS: Lembro-me de um episódio ocorrido na escola municipal ao lado de nossa casa, na qual fomos proibidos de frequenta-la por ser filho de “mulher da vida” (…) rapariga!. E tive que fazer meus estudos numa outra escola bem distante da nossa casa. Minha mãe também era costureira, depois passou a “costurar para dentro e para fora” para nos sustentar. Meu pai foi lavrador e fabricante de telhas e tijolos em nosso sitio urbano e posteriormente virou pedreiro.

O dia mais triste de nossas vidas foi quando nos disseram que o sitio tinha sido vendido para pagar dividas contraídas pelo nosso pai, Ali em nossa porteira da infância meus dois irmãos menores caíram em prantos desenfreado, Contudo, o caseiro tentou nos consolar e nos disse que podíamos frequentá-lo constantemente, porém, sabíamos de antemão que nunca mais iriamos brincar naquele grande bananal, e nem fazer nossas rocinhas de várzeas! (cujas lembranças ainda vem a tona em meus sonhos ocasionais!).

Mudança

Em 1977 mudamos para a cidade de Imperatriz /MA. Para melhorar de vida na cidade grande interiorana. pois no “Curador” (Presidente Dutra), eu passava o meu tempo sem vícios fora da escola, em pescarias no riacho preguiça e lagoas da região. Também ajuntava coco babaçu (gongolos, delicias!) e vivia pelos matos pegando passarins.. Ou seja, já vivia ide livre pelos campos (saudades!). Ao chegar em Imperatriz meu calvário iria só começar amigos! Primeiro tive que ficar sem estudar para poder ajudar minha mãe nas despesas de casa. pois dali  para frente viramos “Sem Tetos”. Meu primeiro serviço até que era gostoso, passei de estudante (vida boa!) para vendedor de saladas de bananas no entroncamento da Br 010 na grande Imperatriz!

Vícios

A vida na cidade grande do interior muita das vezes é só fantasias de retirantes de currutelas. A nossa, agora, “metade família” foi se diluindo aos poucos, pois, um dos meus irmãos tinha sido roubado pelo nosso pai antes de irmos morar em Imperatriz. As dificuldades aumentavam cada vez mais, e minha mãe teve que ceder, e deixar nosso irmão mais novo, ir morar em Araguaína /TO. com a nova família do nosso pai a qual se encontrava mais estável. Dali em diante, só ficou eu e minha mãe morando em Imperatriz sobrevivendo aos trancos & barrancos. Ao lado de nossa casa de aluguel havia uma fabrica de doces e balas, ali comecei a trabalhar com eles de ajudante/ajudado!.,

Então minha mãe resolveu voltar para Presidente Dutra e se encontrou com um  amante das antigas e resolveram casar em contrato matrimonial (amigar socialmente!). pois o meu futuro padrasto era pai até de desembargador no Maranhão, bem como de uma família tradicional e podre de rica em Pedreiras/Ma. Fui convidado a ir morar com eles no meio da “elite” na princesa do Mearim “Pedreiras”.e posteriormente fazer faculdade em São Luis do Maranhão….mas já era tarde demais. Em 1979 eu já havia conhecido a minha maior inimiga “a droga” através do filho do meu patrão que viera de Belo Horizonte passar uma temporada com ele na cidade. Eu viajava, viajava! e conhecia o mundo mentalmente naqueles idos nos entardecer da beira rio em Imperatriz.(só curtição!) A minha mente já não era a mesma, eu me sentia o dono de minha vida e resolvi encarar o mundo sozinho desde então.(bobões, puro engano!).

Perdas

No inicio da década dos 80 já havia perdido a confiança do meu patrão, contudo, já havia conquistado uma função de encarregado da fabrica…eu .já era um mestre doceiro que cuidava do ponto do mel (raridade!), bem como da venda dos produtos tipo: balas coloridas, ioiô etc.(meu patrão me dizia que estava transferindo para mim a sua profissão aprendida em Minas Gerais, porém, eu os decepcionei, e optei pelas ilusões das drogas, especialmente a maldita maconha. Fui despedido desse emprego  e tive que ir trabalhar de ajudante de pedreiro (orelha seca!) e posteriormente de zelador de um posto de combustível na Br 010 em Imperatriz./MA. Por conseguinte, ganhei novamente a confiança do gerente e do dono do posto, pois havia realizado uma limpeza geral no grande pátio daquele auto posto da beira da estrada (uma espécie de motel a céu aberto).e como premio, fui trabalhar de frentista e doravante começou a bagaceira das drogas em minha vida.

Naquele ambiente de “esquemas” e prostituição, a droga rolava à solta e fui me afundando cada vez mais no vicio dos entorpecentes e vadiagem com a raparigagem do lugar!.(eita lasqueira!) Entrementes, eu era um funcionário de inteira confiança do patrão e subir de função, passando a ser (autos!) caixa daquele grande posto de combustível. (chic hein!) O gerente por ser de origem humilde goiana do interiô, (uái sô!) assim como ter ascendido na vida, Investia as fichas em mim para ocupar uma posição de subgerente dentro da rede de postos. Fiquei amigo de seus filhos os quais eu era um pouco mais velho do que eles. Dentre estes, havia uma garota saindo da adolescência a qual gostava de musica e queria aprender tocar violão, porém não havia professor para lhes ensinar os primeiros acordes do amor (digo, musicais!).

No compasso dos acordes musicais me fiz seu pofexô!,(eu arranhava o violão razoavelmente bem!), e lhes ensinei algumas notas que fazia vibrar o seu coração de alegria ao lhe dar aulas em particular. Muitos já notavam o “gosto” que aquela linda goianinha de pele branquinha e lisinha, tinha pela minha rústica e humilde pessoa, (ôpai!), Inclusive, chegando ao ponto de falar em público comigo antes de ir para a escola do centro da cidade, a qual, era terminantemente proibida de prosear com os funcionários naquele pátio da vadiagem noturna. Pois ali, moça de “Família” não podia papear pois poderia ser confundida com uma piriguete frequentadora do mesmo.

As drogas já haviam me dominado e o que eu ganhava, mal dava para sustentar o meu vicio. A goianinha continuava tentando aprender a tocar violão. No entanto, eu fui um professor relaxado e não conseguir lhes ensinar direitinho a canção do amor!. Pois vivia na ilusão das drogas e fantasias com a mulherada vadia!.. Se ao menos eu tivesse conseguido lhes ensinar um modão goiano, hein!. O meu futuro como professor maluco teria sido bem diferente,, Quiçá, pudéssemos hoje em dia tocar a canção dos amantes e da “Família” do Pe Zezinho!,. e certamente, eu continuaria sendo o seu eterno pofexô de viola xonada!.. Entrementes, as cordas do nosso violão foram quebradas pelas drogas no dia em que eu cai drogado no pátio daquele posto malvado, o qual deixou meu coração em pedaços doravante.

O desprezo

Estendido no pátio daquele posto de combustível todos riam de mim, estava ali caído ao chão o futuro de um jovem incauto e “profano”. O qual abusou do poder de sedução e destruição que a droga realiza na vida de um ser humano. Em seguida, a goianinha rejeitou as minhas aulas e se afastou de mim para sempre. Porém, o destino me pregou uma peça daquelas só para maltratar ainda mais o meu coração de ativista. Eu á vi toda feliz abraçada com o seu esposo em frente do meu novo serviço de educação antidrogas, localizado na época, na avenida Prefeito João de Sousa Lima na cidade de Araguaína na década de 90..

Confesso, não suportei a dor e chorei copiosamente!.(só não fiquei de porre na Feirinha (cabaré de pobre!) porque já havia virado crente, preferi sofrer calado ao pé da cruz!) Dali em diante meus amigos & irmãos!, eu resolvi dedicar a minha vida diariamente a educação antidrogas como ativista da cidadania pela sobriedade!, pois encontrei um novo amor fraternal e compassivo!., Sim meus amigos!, hoje de coração partido e cheio de cicatrizes!, aprendi novas notas musicais com o Cristo, bem como a entoar uma nova canção do amor a sobriedade pela vida através do grande Elohim!, o eterno.

Ministério

Nos 85 do século XX. tinha virado “Crente”. Em princípio como músico (baixista), exerci o chamado entre os evangélicos “Ministério de Louvor” durante vários anos, chegando a tocar com músicos e cantores reconhecidos do meio gospel, aleluias!, bem como participei da equipe de louvor de várias igreja tais como: Batista Missionária, Igreja de Deus, Assembleia de Deus, (várias) Cristã Evangélica, Igreja Quadrangular, Batista El-Shadai e por ultimo Comunidade Cristã…Inclusive, ajudei a fundar algumas igrejas dentre ás quais: Quadrangular Raizal, Comunidade Cristã (Araguaína) e Assembleia de Deus de Campos Lindos. Uma das ,maiores contribuições realizadas por mim na AD/Cadetins, foi a elaboração da reformulação dos Estatutos e regimentos da Igreja, bem como de sua Associação social e educacional ASPA. Criamos também uma agência missionário para a igreja denominada de SEMADA”, Assim como, ajudamos a organizar o acampamento de jovens da igreja em uma chácara da cidade.

Cidadania

Com o nosso desprendimento social desprovido de vaidades pessoais ao longo desta caminhada de sobriedade, esperança e fraternidade verdadeira,. transformamos um grupo musical de jovens religiosos, em uma Ong da cidadania conhecida como Ide Livre, a qual estar em atividade desde 1989. O meu envolvimento de corpo e alma com esta organização não governamental (Ong)., construiu em minha vida social, uma nova visão sobre as “coisas da vida” em nível educacional, na política e na religião, agora posso ver o mundo por outro prisma da realidade e da cidadania via as “Escrituras Sagradas”.  Entendemos que a religião precisa ser socializada integralmente, “”Porque, assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem obras é morta”. Tiago 2:26

Ao longo destes 30 anos de cidadania social e religiosa, ajudamos também a fazer muitas ações de desenvolvimento neste município de Araguaína. A nossa maior obra é manter viva, a esperança da realização da visão daquele pequeno grupo de quatro jovens sonhadores, Eu, o Joãozinho, o Edilberto e o Giltanci, os quais, alguns lançaram mão do arado, todavia, nós demos prosseguimento a missão com uma nova equipe nesta grande obra de Deus, a qual, vem sendo realizada nesta cidade através da Ong Ide Livre, mesmo que para isso temos que enfrentar resolutos a oposição da cidadania popular e o diabo..

No final dos 90 e inicio do novo século, tivemos participações efetivas, em dezenas de ações realizadas através da influencia benéfica da Ong Ide Livre sob a nossa gestão, destacamos: As participações nas criações do: Conselho Municipal Antidrogas (COMAD), No Conselho Municipal da Criança e do Adolescente. No Conselho Tutelar, No Conselho do PETI. E na Comissão Intersetorial da Saúde do Trabalhador (CIST) etc.

Outra atividade de grande relevância realizada por nós na gestão da Ong Ide Livre, foi o apoio para a implantação definitiva na cidade do Movimento Nacional de Lutas Pela Moradia (MNLM/SALM). Objetivando atender centenas de famílias “Sem Tetos” de Araguaína, onde foi construído o projeto de Moradia Popular no Setor Morada do Sol II com 200 residências já entregues. Fizemos também gestão de apoio ainda no passado para a construção do Condomínio popular Irmã Dorothy (em construção no Bairro JK o qual beneficiará 36 famílias de baixa renda, bem como outros projetos em conclusões para inicio das obras.

Através de nossa gestão popular na Ong Ide Livre ajudamos também a organizar e implantar a Associação Comunitária do Setor Monte Sinai, na qual tivemos momentos marcantes de luta pela conquista da terra. Hoje este setor com mais de 5 mil pessoas é um dos mais conhecidos da cidade e em Tocantins.. Certamente participamos daquela grande aventura popular em prol dos “Sem Tetos”, simplesmente objetivando beneficiar o povo!, pois não tenho se quer um metro de terra no setor..

Novo projeto

Atualmente estamos dando a nossa humilde contribuição na implantação do serviço da Casa de Apoio para pessoas vivendo com Aids de Araguaína e região (tipo albergado http://ongidelivre.blogspot.com.br/), a qual estar localizada no Setor Oeste nesta cidade. Além deste serviço em implantação, nós continuaremos a fazer a cidadania sem Dolo como conselheiro do COMAD/Araguaína, assim como ativista na Ong Ide Livre e no MNLM até o fim,. Desejando tão somente ver fluir o novo, e desinteressado em promoção social, politica .e/ou religiosa como um humilde “Cristão Bereano”. Cremos que agindo assim, estaremos promovendo o reino de Deus que será instalado na terra para sempre logo mais ainda em nossa geração. Bem como contribuindo para a promoção da propalada “Liberdade, da Igualdade e da Fraternidade” de “fato”, e de livre espontânea vontade sem as amarras do “Sistema” para o bem do nosso semelhante..

Atualidade

Quando voltei de minhas viagens da ilusão das drogas, percebi que não havia concluído ainda o ensino fundamental, pois tinha parado de estudar na 7ª série (é o novo menino!). Com muito esforço terminei o primeiro grau em Araguaína (supletivo/provão da Seduc/TO.!) e o segundo grau para variar “Supletivo/Provão Seduc/MA.” em Imperatriz. Agora sou diplomado em nível médio pela secretaria estadual de educação do Maranhão. (Ufa!, já sou quase doutor!) Porém, na minha avançada idade compensa mais eu fazer um curso oficial de jornalismo (o qual estou aguardando implantarem em Araguaína), pois não aguento mais me chamarem de “jornaleiro de siteco”!…

Para compensar a falta de educação superior fiz dezenas de cursos, e participações infindas em seminários, conferências e fóruns, nas áreas da educação antidrogas, assim como sobre ás Dst/Aids, Cidadania, Teologia básica, congressos nacional de missões (Belo Horizonte), Webjornalismo e liderança. Enquanto isso vou me especializando em comunicação pela web e tirando onda de blogueiro nos meus blogs profissional/personalizado: http://www.cerradopost.com/ bem como no meu blog oficial: https://selo144.wordpress.com (novo) https://selo144.blogspot.com  (antigo) e socializando a comunicação nas redes sociais (https://www.facebook.com/rybagoncalves)…Paz seja convosco!, eu sou o irmão Ryba “desigrejado” (Igreja Sem Paredes) vosso serviçal!!!…”Quando acabar, ainda dizem que o maluco e desviado sou…âh! ham

Crie um novo site no WordPress.com
Comece agora